Caustic Casanova irá de atrair pela combinação de elementos do rock pesado

3:23 PM

Caustic Casanova - foto: divulgação

Quarteto de Washington, DC, quer exibir sua "mistura muscular, barulhenta de riffs, difusa de baixo de metal e hard rock, aromatizada com doses de ruído e psicodelia drástica" para o mundo todo e além. 

Por: Ingrid Natalie (instagram: @femalerocksquad)

O que o heavy metal, hard rock e punk têm em comum? Certamente o peso, fúria, rapidez e vigor na sonoridade, principalmente no que se refere a guitarra. A banda Caustic Casanova reúne todos esses elementos de forma magistral. O quarteto nasceu no ano de 2005 em Washington, DC, nos Estados Unidos e conta na sua formação por Francis Beringer (baixo e vocal), Stefanie Zaenker (bateria e vocal), Andrew Yonki (guitarra) e Jake Kimberley (guitarra). 

Pouco tempo depois do início da formação da banda, eles lançaram 'Dichotomies' (2006) e em seguida emplacaram 'Imminent Eminence' (2008) e 'Someday You Will be Proven Correct' (2012). Os registros de estúdio chamaram tanto atenção que o quarteto foi convidado para lançar um trio de EPs para a série Pantheon entre os anos de 2013 e 2018, que também rendeu um contrato com a Magnetic Eye Records. O próximo álbum 'God How I Envy The Deaf' (2019) fez a banda ganhar dois prêmios Washington Area Music Awards em 2020, para melhor álbum de hard rock e melhor canção de hard rock para “Filth Castle”. Tendo resistido a mudanças de formação, lesões fatais e incessantes turnês independentes, o som altamente eclético do grupo os tornou os favoritos em uma cena lotada.

No momento, Caustic Casanova está gravando um novo disco com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2022. Até a chegada do novo álbum, eles presentearam os fãs com uma releitura de 'Wicked World' do Black Sabbath. 

Confira a nossa entrevista com a simpática Stefanie Zaenker que nos detalhou tudo sobre a atual fase da banda e os planos futuros:

FRS: Para aqueles que estão conhecendo a banda agora, como vocês se conheceram e montaram a banda?

Stefanie Zaenker: Francis, o baixista / cantor, e eu nos conhecemos no College of William and Mary em Williamsburg, Virginia, em 2005. Ele e nosso primeiro guitarrista Michael haviam formado a banda e estavam procurando um baterista. Eles me encontraram procurando por pessoas interessadas em 'tocar bateria' no Facebook (o primeiro ano em que existiu!). Nós nos juntamos e tocamos naquela primavera e 16 anos depois ainda estamos fortes! Em 2013 Michael deixou a banda e adicionamos nosso bom amigo Andrew Yonki como nosso novo guitarrista. Desde então, temos feito muitas turnês. Em 2019, integramos Jake Kimberley na guitarra e nos tornamos um quarteto. A banda é formada por Francis Beringer (baixo, vocal), Stefanie Zaenker / eu (bateria / vocal), Andrew Yonki (guitarra) e Jake Kimberley (guitarra).

FRS: Quais são as principais influências da banda?

Stefanie Zaenker: Temos muitas influências diversificadas e ecléticas que contribuem para o nosso som único e pesado. Todos nós gostamos muito de música pesada, de Black Sabbath a Melvins, mas também gostamos e ouvimos regularmente outros artistas como Dolly Parton, King Crimson, Husker Du e Radiohead; para citar apenas alguns exemplos! Uma banda que todos nós amamos muito é Queens of the Stone Age.

FRS: Da onde veio o nome da banda?

Stefanie Zaenker: Francis e Michael (nosso guitarrista original) deram o nome à banda por causa de seu amor mútuo pela aliteração e pelo fascínio com o conceito de nome de uma pessoa - neste caso Giacomo Casanova - tornando-se tão abrigado na linguística cultural que assume um significado específico e torna-se um substantivo reconhecido globalmente.

FRS: Vocês se apresentaram oficialmente ao mundo em 2008 com o lançamento de "Eminência Iminente". Em que aspectos a banda mudou ao longo dos anos?

Stefanie Zaenker: 'Iminent Eminence' foi lançado como um trio, com a formação original da banda, Francis-Michael-Stefanie. Na verdade, veio depois do nosso álbum de estreia auto-lançado chamado 'Old Habits Die Hard' em 2005, que foi escrito, gravado e produzido por nós mesmos enquanto ainda estávamos na faculdade. 'Iminent Eminence' é um longo álbum cheio de ideias realmente boas, mas nos tornamos músicos muito melhores e muito mais pesados ​​desde então. Quando Andrew Yonki se juntou à banda em 2013, ele trouxe sua sensibilidade metal e punk com ele, que era exatamente a direção que Francis e eu queríamos seguir de qualquer maneira. Em 2019, adicionamos o guitarrista Jake Kimberley e nos tornamos um quarteto.


FRS: Qual é a lembrança mais marcante da carreira da banda?

Stefanie Zaenker: Essa é uma ótima pergunta e não acho que posso necessariamente localizar uma única memória notável. Nossa primeira turnê pelo país em 2013 foi algo que nenhum de nós jamais esquecerá, já que foi a primeira turnê de verdade de todos - alguns de nós nunca tinham visto a Costa Oeste. Fiquei encantada com as paisagens dramáticas e sobrenaturais do sudoeste americano. Seguindo essas mesmas linhas, uma vez fizemos uma excursão de dez semanas pela América do Norte, com apenas alguns dias de folga, o que foi bastante intenso. Espero que nossa memória mais marcante ainda esteja por vir!

FRS: Você mencionou em outra entrevista que há um novo álbum saindo no segundo semestre de 2021. Como está indo o processo de gravação até agora?

Stefanie Zaenker: Se você tivesse perguntado isso há pouco mais de um ano, a resposta teria sido totalmente diferente e o álbum já teria sido lançado! Obviamente, a pandemia colocou as coisas em espera para muitas bandas, mas estamos felizes em informar que já terminamos mais da metade com o novo. Esperançosamente, será lançado em algum momento do início de 2022. As fábricas de prensagem estão muito ocupadas atualmente. Este foi muito diferente de gravar porque é o primeiro álbum que escrevemos principalmente como uma banda de quatro integrantes, e o primeiro álbum em que tivemos que fazer algumas composições à distância. Compartilhamos ideias musicais por meio de chamadas de zoom regulares e vídeos do Google Drive. A pandemia também nos deu tempo para brincar com instrumentos diferentes, então tenho adicionado teclados a algumas músicas, o que é realmente novo para nós e extremamente divertido para mim! Apesar do desafio de escrever música remotamente, está indo muito bem e contará com algumas de nossas coisas mais experimentais com o mesmo peso estranho que as pessoas esperam.

FRS: Este será seu segundo álbum com a Magnetic Eye Records. Quão essencial é o papel da gravadora  nesse processo?

Stefanie Zaenker: Estar na Magnetic Eye Records tem sido tão bom e estamos emocionados por lançar um segundo álbum com eles! Antes de nos contratarem, eles se tornaram um de nossos selos favoritos de música pesada, então ficamos muito felizes por eles estarem interessados ​​em nós. Eles são simplesmente pessoas fantásticas, com gostos musicais fantásticos, e nos apoiaram de inúmeras maneiras. Se você não estiver familiarizado com o selo, confira o mais rápido possível! Existem tantas bandas ótimas e interessantes no selo.

FRS: A pandemia está realmente sacudindo o mundo e a música, obviamente. Qual é a coisa mais importante que vocês, como banda e como indivíduos, têm sido capazes de fazer devido ao isolamento que vocês provavelmente não seriam capazes de fazer de outra forma?

Stefanie Zaenker: Eu mencionei isso em uma pergunta anterior, mas tivemos tempo para brincar com uma instrumentação diferente, o que tem sido legal. Recebi um piano digital de presente do meu colega de banda Francis, então tive algum tempo para escrever as partes do teclado para uma música de 22 minutos que será o lado B do novo álbum, e para alguns covers surpresa que já temos gravado. Estaremos participando de um show ao vivo no Facebook patrocinado pela Magnetic Eye Records no sábado, 15 de maio, então podemos começar a aprender sobre o aspecto audiovisual dos programas de streaming, que podem permanecer uma forma popular de fazer shows no futuro. Jake pôde dedicar mais tempo à sua gravadora de fitas, Tape God Collective, e seu estúdio de gravação analógica, e Andrew tem enviado regularmente vídeos de guitarra de 'Name That Riff' para o Instagram, então foi um momento criativo para todos nós.


FRS: Finalmente, o que o futuro reserva para Caustic Casanova?

Stefanie Zaenker: Provavelmente nem é preciso dizer que mal podemos esperar para finalmente fazer um show de verdade e fazer uma turnê de verdade! Até então, vamos nos concentrar em terminar o novo álbum, fazer shows ao vivo e retomar a prática normal. Estávamos prestes a começar a agendar uma turnê europeia quando a pandemia atingiu, então esperamos poder chegar lá em breve!

Confira as músicas mais escutadas do Caustic Casanova:

Posts Que Talvez Você Goste

0 comentários

Não esqueça de deixar seu comentário! Ele é muito importante para nós!