Royal Blood divulga clipe de 'Typhoons', faixa título do novo álbum

6:00 PM


Single está disponível em todas as plataformas digitas e projeto está previsto para o dia 30 de abril

Após de surpreender o Reino Unido emplacando dois álbuns nas primeiras posições, 2 milhões de cópias vendidas e de conquistar aclamação internacional, o público deve ter pensado que sabe o que esperar do Royal Blood. Esses preconceitos foram quebrados quando eles lançaram "Trouble’s Coming” . Alcançando um caldeirão de riffs de rock ardente e batidas dançantes, eles entregaram algo novo, inesperado e, ainda assim, totalmente em sintonia com o que haviam construído durante toda a reputação da banda.

A reação foi fenomenal, com destaques incluindo 20 milhões de streams. Foi capa da principal playlist de rock global do Spotify, ROCK THIS e ganhou suporte de rádios alternativas e atenção da mídia em todo o mundo. Em suma, Royal Blood está preparado para ser maior do que nunca. Essa façanha será realizada quando eles lançarem o ansiosamente aguardado terceiro álbum "Typhoons”, previsto para 30 de abril, pela Warner Records, uma distribuição nacional Warner Music Brasil.

Para aquecer o público, a faixa-título e single do projeto, já disponível em todas as platafomas digitais, recebeu na última quinta-feira, 28 de janeiro, um videoclipe impactante. Assista:


Quando Mike Kerr e Ben Thatcher sentaram para conversar sobre fazer um novo álbum, eles sabiam o que queriam alcançar. O processo envolveu um retorno consciente às raízes deles, na época em que eles fizeram música influenciada por Daft Punk, Justice e Philippe Zdar of Cassius. Esse processo também exigiu uma abordagem de volta ao básico, semelhante ao que havia tornado o álbum de estreia autointitulado tão emocionante, visceral e original.

“Nós meio que tropeçamos nesse som e foi imediatamente divertido de tocar”, lembra Kerr. “Isso é o que despertou a criatividade no novo álbum, a busca por esse sentimento. É estranho, porém - se você pensar em ‘Figure it Out’, meio que contém o embrião deste álbum. Percebemos que não tínhamos que destruir completamente o que criamos até agora; nós apenas tivemos que mudar isso, transformar isso. No papel, é uma pequena reinvenção. Mas quando você ouve, soa tão novo”.

Essas características pulsam ao longo do novo single e faixa-título. O riff de baixo em espiral de Kerr lança um fascínio hipnótico à medida que cresce em intensidade, enquanto os vocais alternam à vontade entre um rugido de rock cru e um falsete comovente. É sustentado pelas batidas estrondosas de Thatcher,  ritmos tensos infundidos com grooves de bateria carregados.

Depois de definir o tom com “Trouble’s Coming”, o álbum abre em um estilo sem fôlego e agressivo, com os fortes sulcos/grooves metálicos de “Who Needs Friends”, atingindo um pico visceral precoce. O Royal Blood ainda faz referência à nova gama de influências ao implantar vocais potentes em “Million & One” antes de alternar dinamicamente entre os maiores contrastes de som com “Limbo”. Já um favorito dos fãs por ter sido regular durante os shows da dupla em 2019, “Boilermaker” faz jus à reputação e é mais do que igualado por “Mad Visions”, que evoca um príncipe hiper agressivo. Termina com uma surpresa final na forma de uma   balada de piano forte “All We Have Is Now”, um lembrete vulnerável e revelador sobre viver o momento.

Os sentimentos desprotegidos dessa música dão ao álbum um final redentor. Seja direta ou alusivamente, o projeto se concentra em explorar o outro lado do sucesso que eles experimentaram. Vem da compreensão de que o sucesso é muito mais complicado do que parece e de que ter tempo para recuperar a perspectiva é uma mercadoria preciosa que se torna cada vez mais difícil. A situação exigia reflexão e mudança, que Kerr abordou em Las Vegas. Ele engoliu um espresso martini e declarou ser o último drinque, e logo descobriu que a recém-descoberta sobriedade teria um impacto positivo na criatividade e na vida como um todo.

Essa nova abordagem se manifestou na decisão da dupla ao produzir a maioria do álbum "Typhoons" por conta própria. “Boilermaker” foi produzido pelo vocalista do Queens of the Stone Age, Josh Homme, as duas bandas se conectaram pela primeira vez quando o Royal Blood as apoiou em uma enorme turnê norte-americana. Enquanto isso, o vencedor de vários prêmios Grammy, Paul Epworth, produziu "Who Needs Friends" e contribuiu com a produção adicional para "Trouble’s Coming".

Posts Que Talvez Você Goste

0 comentários

Não esqueça de deixar seu comentário! Ele é muito importante para nós!