De Staat explora novas sonoridades e inova em 'Bubble Gum'

10:00 AM

De Staat - Crédito: Pooneh Ghana 
Álbum sucede o premiado 'O' (2016), e fala sobre as bolhas sociais da geração atual

Por: Ingrid Natalie (instagram: @femalerocksquad)

O De Staat nasceu como uma criação de do vocalista Torre Florim em 2006, dando os primeiros passos como um artista solo na cidade de Nijmegen, na Holanda. Na época, o músico estava determinado a ser fiel  um estilo musical. Desse desafio, surgiu o disco de estreia do grupo, 'Wait For Evolution', em 2009. Junto com  Vedran Mircetic (guitarra), Jop Van Summeren (baixo), Rocco Hueting (multi-instrumentista) e Tim Van Delft (baterista), Torre lançou outros 3 discos inesquecíveis: 'Machinery' (2011), 'I_Con' (2013) e 'O' (2016).

'Bubble Gum' é o 5º disco de estúdio do quinteto holandês. O novo registro de inéditas é o sucessor do premiado 'O' (2016), que levou a banda a excursionar com o Muse pela Europa. No ano seguinte, eles dividiram o palco com vários outros artistas, incluindo The Rolling Stones (em Amsterdã) e o Papa Roach (na Alemanha). 

O lançamento chega após quatro singles divulgados pelo grupo, que já alertavam para uma mudança sonora. 'Bubble Gum' incorpora uma infinidade de temas, conceitos e influências decorrentes de referências religiosas sutis, cultura e, claro, suas inspirações em Nine Inch Nails e Queens of The Stone Age. Da melhor maneira possível, o De Staat é uma banda que abre as comportas para uma variedade de gêneros embriagantes e até vertiginosos.

Conversamos com Torre Florim que nos contou mais detalhes sobre o processo de composição do recente disco. Leia abaixo a entrevista:

FRS: Em primeiro lugar, vamos falar sobre o seu lançamento atual, "Bubble Gum". Como foi o processo de escrita?

Torre Florim: Foi muito divertido, na verdade. Este é o nosso quinto álbum, e as pessoas tendem a pensar que deve estar ficando mais difícil escrever material novo quando uma banda está por tanto tempo. Mas eu sempre tenho muitas idéias, provavelmente idéias demais. Isso nunca para. Aaaah

Eu sempre começo com um certo elemento que ouvi em outro lugar, como parte da batida ou como alguém canta. Eu meio que roubo essa parte, mas brinco com ela e a combino com outra coisa. Isso tudo acontece no estúdio. Então eu improviso sobre essas coisas e no final do dia eu tenho uma música de algum tipo. Uma batida pelo menos. Quando tenho algo que me faz bem, envio para os outros caras e, literalmente, no dia seguinte, podemos gravar a faixa e terminá-la no final do dia.

Letras sempre vêm por último. No começo eu apenas falo foneticamente. Mas muitas vezes algumas dessas palavras ficam por aqui. As palavras ‘um dois Pikachu na música‘ Pikachu ’, por exemplo, eram da demo que tinha que estar na música. Não fazia o menor sentido, mas parecia tentador.

FRS: Podemos sentir que o álbum traz um tom político, quais foram as principais influências?

Torre Florim: Tudo começou com a produção da música 'KITTY KITTY', onde eu estava obcecado com a campanha política em torno de Trump, e o contraste entre dois grupos bem distintos: esquerda e direita, azul e vermelho, democrata e republicano. Ambos os grupos pareciam estar em realidades tão diferentes, bolhas diferentes.

Quando trabalhei em mais músicas, notei que muitas das novas músicas estavam em uma espécie de bolha. Bolha parecia ser a palavra de hoje. A nova religião As pessoas têm mais fé em sua própria bolha. As informações que melhor se adequam à sua opinião. E as informações de que você não gosta, você não está aberto a isso. Eu acho que você sabe o que quero dizer, certo? A política no Brasil parece ser um bom exemplo disso também. É a mesma coisa em todos os lugares. Na Holanda também. E eu sou culpado disso também, claro. Estar em uma banda é basicamente estar em uma bolha, haha.

Enquanto trabalhei neste novo álbum, fiquei obcecado com bolhas em geral. O que é verdade, o que é real, o que é falso? Aquele tipo de coisa. Então, quando a maioria das novas músicas tinha esse tema de maneiras diferentes, eu senti que o álbum precisava ser chamado de 'Bubble Gum': como uma massa de bolhas presas juntas em um álbum.

FRS: Qual faixa melhor descreve o álbum? 

Torre Florim: Isso não é fácil, haha. Cada faixa é bem diferente da outra, é para isso que pretendemos. Nós gostamos quando todas as músicas têm uma identidade muito clara, então você não vai confundir nenhuma música com a outra. Isso também contribui para um álbum muito variado. Então, escolher uma faixa que descreve o álbum é como escolher um filho para descrever toda a família. Mas eu tenho que escolher… Eu diria que o 'KITTY KITTY' diz muito: Uma faixa escura, dançante, ameaçadora, eletrônica, mas rock, épica, divertida, longa e barulhenta.


FRS: "Bubble Gum" é o seu quinto disco. Que tipo de desafios vocês encararam enquanto estavam gravado ele? 

Torre Florim: Para ser honesto, não foi tão desafiador. Nós trabalhamos em nosso próprio estúdio atualmente, o que torna o processo relaxado e divertido. Podemos nos dedicar a trabalhar em algo e jogá-lo fora eventualmente, e tudo bem. Ao mesmo tempo, gravamos muitas músicas em um dia. Gostamos de configurar tudo e gravar a maior parte juntos ao mesmo tempo, na mesma sala. Isso faz para um tempo divertido. Claro que há desafios, mas eles são os habituais: Que música deve fazer o disco? Eu estou vendo bastante luz do dia? Por que tudo parece tão ruim agora? Por que tudo parece tão bom agora?

FRS: De Staat está na estrada desde 2006, qual foi a memória mais marcante da sua carreira até agora?

Torre Florim: Eu não posso dizer que há uma. Na Escócia, teve um homem pedindo a namorada em casamento no meio da multidão, no meio do show. Isso foi bem notável. E estranho. Não vou esquecer isso tão cedo.

FRS: E finalmente, quais são os planos para 2019? O que podemos esperar?

Torre Florim: Acabamos de lançar o 'Bubble Gum', prestes a sair em turnê, fazendo mais vídeos musicais, depois uma divertida temporada de festivais e depois mais turnês. E, é claro, esperançosamente, chegar à América do Sul e ao belo Brasil! Então, festivais brasileiros, nos convidem, nós vamos. Com certeza. 

De Staat - Crédito: Pooneh Ghana 

Onde encontrar a banda:
____________________________________________________________________________

ENGLISH TRANSLATION 

FRS: Firstly, let's talk about your current release, "Bubble Gum". What was the writing process like? 

Torre Florim: It was a lot of fun actually. This is our fifth album, and people tend to think It must be getting harder to write new material when you’ve been together for that long. But I always have plenty of ideas, probably too much ideas. It never stops. Aaaah. 

I always start with a certain element I’ve heard somewhere else, like a part of beat, or a way someone sings. I kind of steal that part, but mess around with it and combine it with something else. That all happens in the studio. Then I improvise on that stuff and at the end of the day I have a song of some sort. A beat at least. When I have something that feels good I send it over to the other guys, and literally the next day we could be recording the track and have it finished at the end of the day.

Lyrics always come last. In the beginning I just stuff phonetically. But often times some of those words stick around. The words ‘one two Pikachu in the song ‘Pikachu' for example, were from the demo that just had to be in the song. It didn’t make any sense, but sounded delicious.

FRS: We can feel that the album brings up a political tone, what were the major influences?

Torre Florim: It started with the making of the song 'KITTY KITTY', where I was obsessed with the political campaign around Trump, and the contrast between two very distinct groups: Left and right, blue and red, democrat and republican. Both groups seemed to be in such different realities, different bubbles. 

When working on more songs I noticed that a lot of the new songs were kind of about being in a bubble in a sort of way. Bubble seemed to be the word of today. The new religion. People have the most faith in their own bubble. The information that fits your view, you’ll take. And the information you don’t like, you’re not open to it. I think you know what I mean right? The politics in Brazil seem to be a good example of that too. It’s the same stuff everywhere. In The Netherlands too.

And I’m guilty of that too of course. Being in a band is basically being in a bubble, haha. 

While working on this new record, I got obsessed with bubbles in general. What is truth, what is real, what is fake? That kind of thing. So when most of the new songs had this theme in different ways, I felt like the album needed to be called ’Bubble Gum’: like a chewy mass of bubbles stuck together on an album.

FRS: Which track best describes the album? 

Torre Florim: That’s not easy, haha. Every track is quite different from the other, that’s what we aim for anyway. We like it when every song has a very clear identity, so you won’t be confusing any song with the other. That also makes for a very varied album. So picking one track the describe the album is like picking one child to describe the whole family. But I you have to choose…. I’d say 'KITTY KITTY' says a lot: A dark, danceable, threatening, electronic but rocky, epic, fun, long and loud track.

FRS: "Bubble Gum" is your 5th album. What kind of challenges did you come accross while recording it?

Torre Florim: To be honest, it wasn’t that challenging. We work in our own studio nowadays, which makes the process relaxed and fun. We can take our time working on something and throw it away eventually, and that’s OK. At the same time we’ve recorded plenty of tracks in one day. We like to set everything up, and record most of it together live at the same time, in the same room. That makes for a fun time. Of course there are challenges, but they are the usual: What song should make the record? Am I seeing enough daylight,? Why does everything sound so shitty right now? Why does everything sound so good right now?

FRS: De Staat has been on the road since 2006, what has been the most remarkable memory in your carreer so far? 

Torre Florim: I can’t say there is one. In Scotland there was a man asking a woman to marry him in the middle of the crowd, in the middle of the show. That was pretty remarkable. And weird. Won’t be forgetting that any time soon.

FRS: And finally, what are you plans for 2019? What can we expect? 

Torre Florim: We just released Bubble Gum, so about to go on tour, making more music videos, then a fun festival season, then more touring. And of course, hopefully, getting to come to South America and the beautiful Brazil! So Brazilian festivals, invite us, we’ll come. For sure.

Posts Que Talvez Você Goste

0 comments

Não esqueça de deixar seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Galeria FRS!