One Ok Rock no Cine Joia: Fica, vamos ter bolo e casamento!

1:01 AM

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)
Texto: Lizie Evangelista
Fotos: Rodnei Rosa (Ruído Produções)

Eu conheci o One Ok Rock há pouco mais de um ano, apesar da banda já ter quase 10 anos de carreira. Por sorte, a passadinha deles pela América do Sul foi divulgada bem na época em que eu mais estava ouvindo, então não pensei duas vezes antes de comprar o ingresso! O que me deixou mais feliz é que graças ao deus do Jrock não teria essa palhaçada de pista VIP, como no the GazettE e no X Japan. Nesses shows eu não havia conseguido comprar o VIP e fiquei bem atrás, então era questão de honra ficar perto da grade desta vez. No fim das contas, valeu a pena todo o empurra-empurra e o esforço.

O show aconteceu domingo (02/11) no Cine Jóia, localizado no bairro da Liberdade, em São Paulo. Ponto super positivo para a casa, que abriu as portas religiosamente às 18h em ponto, como planejado. O show estava previsto para as 20h e também foi pontual, dando tempo mais que suficiente para as quase 1500 pessoas se acomodarem. Eu consegui ficar bem perto do palco, mas muita gente preferiu ficar mais atrás onde tinha um barzinho ou no mezanino, que estava liberado também.

Faltando alguns minutos para as 20h, as paredes por trás do palco foram preenchidas com projeções do nome da banda e o primeiro a aparecer foi Tomoya, o baterista. Logo o baixista Ryota e o líder, Toru (o guitarrista japa mais gato da face da Terra) se juntaram no palco para uma Intro instrumental, que deixou o público eufórico e ansioso pela entrada do vocalista Taka, puro carisma e simpatia.

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)

Assim que ele subiu ao palco a banda emendou no comecinho de Deeper Deeper, mas eu perdi as palminhas da introdução porque o empurra-empurra estava bem violento no começo. Consegui me recompor para curtir a sequência sem pausa de Nothing Helps e Re:make, uma das minhas preferidas. Cara, como a presença de palco deles é FODA! Eu só tinha olhos pro Taka (a propósito as tatuagens dele são incríveis) e pro Toru, que além de lindo também é muito cheio de energia! Ele pulava, subia nos retornos, girava, andava pelo palco e cantava as músicas o tempo todo. Aliás, o Taka também é bastante performático, e eu levei um susto quando ele arremessou o microfone super alto e deu um salto pra pegar ele no ar! Ô loco! Eles sabem como deixar o público empolgadasso o tempo todo.

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)

Antes de anunciar Clock Strikesuma das mais esperadas da noite, o Taka saudou os fãs brasileiros com seu inglês surpreendentemente bom. Ele agradeceu, falou “Love you, guys!” e disse que na próxima turnê voltariam pra cá com certeza. “I promise!” - será?  Então depois da música ele saiu do palco, dando espaço para uma pequena Jam Session, que particularmente nem achei nada de mais.

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)
Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)
Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)

O Taka voltou ao palco com a Mighty Long Fall, que eu fiquei surpresa por ter curtido muito, pois ela não estava entre as minhas favoritas. Pra falar a verdade eu reclamei bastante quando vi que ela e a Decision  estavam na setlist, ao invés de ONION e Ending Story, que infelizmente não foram tocadas. Mas como era de se esperar, eles mandaram super bem e até me fizeram gostar mais delas, assim como a Be the Light , que foi bem emocionante.

Então rolou a Stuck in the Middle, música inédita que está sendo tocada durante toda a turnê. Eu fiquei muito impressionada com a potência da voz do Taka e em como ela é ainda mais bonita ao vivo. Principalmente na música seguinte, NO SCARED que eu já curtia e que em matéria de empolgação foi com certeza um dos destaques do show.

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)

Depois dela, o Taka anunciou a última música, que seria a super obrigatória The Beginning. Mas todo mundo já sabia que ela não era a última de verdade. Como os setlists do Chile e da Argentina foram iguais, já estávamos esperando Wherever You Are no encore. Isso estava desagradando muita gente por sinal, inclusive eu, que acho a música chatinha. Mas no dia anterior, o meu amigo Ricardo, que tem uma boca daquelas, disse: “Ah, vocês vão ver, no fim das contas vai acontecer alguma coisa muito foda que vai deixar o encore legal”. Dito e feito! Assim que o Taka e o Toru (com um violão <3) voltaram ao palco, um fã aleatório tacou um chapéu no palco, que por sorte o Taka pegou no ar. O guri tinha colocado o celular dentro, e muita gente achou que ele estava pedindo outra música. Alguns gritavam pra eles tocarem Liar ou Kanzen Kankaku Dreamer. Mas o Taka não entendeu o que estava escrito e desceu até a grade pra falar com o cara. Logo depois entendemos o que ele queria: pedir a namorada em casamento no palco. O guri subiu primeiro, cumprimendou os caras, e o Taka chamou a menina lá pra cima. Ela era era nisei, e foi engraçado que ele tentou falar algo em japonês, e quando ela não entendeu ele disse: “What the fuck? But you look like japanese!”.

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)


Em seguida foi bem fofo, o cara fez uma declaração de amor pra ela, com o microfone, ela chorou muito, o Taka ficou filmando os dois e depois gritou “SHE SAID YES!!”. Nesse meio tempo, uma garota subiu no ombro de alguém, só de sutiã, e o Taka disse “Ah, bota essa gostosa aqui no palco também!” (mentira, não foi isso que ele disse XD). Mas foi meio aleatório e acho que a garota quebrou um pouco o clima romântico do momento, além dela nem saber cantar a música direito. Mas o casal estava cantando juntinho, e foi super fofo.

Um vídeo publicado por Taka (@10969taka) on



No fim, o Tomoya e o Ryota voltaram ao palco com uma bandeira do Brasil que os fãs assinaram, como de praxe. Em resumo, a banda conseguiu fazer um show FODA mesmo com uma setlist curta e meio cagada (faltou tanta coisa boa dos álbuns mais recentes!), e valeu super a pena. Os brasileiros BR BR HUE HUE imortalizaram com o melhor final de show da turnê, com certeza! Espero que esses LINDOS cumpram a promessa e venham pra cá na próxima. 

Foto: Rodnei Rosa (Ruído Produções)


SETLIST:

Intro Jam (sem vocal)
Deeper Deeper 
Nothing Helps 
Re:make 
Clock Strikes 
Jam Session (sem vocal)
Mighty Long Fall 
Be the light 
Decision 
Stuck in the Middle 
NO SCARED 
The Beginning

ENCORE:

Wherever you are


__________________________________________________________________


A designer desse site resolveu sair de seu covil encantado dos unicórnios pra postar esta resenha feita pela nossa queridissima colab. Lizie (essê dois eteeeeernoo)! Ela também tem um blog que fala sobre suas viagens, e as doideiras pra assistir shows de suas bandas do "kokoro" ()! Vocês podem saber mais sobre ela aqui www.mariamochileira.wordpress.com! Não esqueçam de comentar o que acharam logo abaixo :)!!!!

Posts Que Talvez Você Goste

0 comments

Não esqueça de deixar seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Galeria FRS!