Otherside: análise de vídeo, letra e arranjo

1:12 AM



 Por: Karen Batista

Análise: "Otherside", Red Hot Chili Peppers

Baseado em um ambiente com influências estéticas fortes de movimentos artísticos como o Expressionismo Alemão, Surrealismo e Cubismo, o clipe de "Otherside" é uma viagem angustiante através de cenas cada vez mais absurdas e que reflete, assim como a letra, a frustração pela não-solução de situações existenciais.



A letra, repleta de versos aparentemente desconexos, após uma primeira, segunda, décima, quinquagésima análise, talvez não possua um sentido muito claro. A profusão de versos e expressões ou sem ligação entre si ou crípticos o bastante para levarem a crer que façam sentido apenas para o autor são características marcantes da obra de Anthony Kiedis como poeta, possivelmente refletindo o caos de sua própria existência conturbada, e "Otherside" talvez seja a expressão simbolicamente mais forte disto.

O universo do videoclipe de "Otherside" constitui-se por ambientes e objetos angulosos, e marcados por sombras contrastantes, referenciando justamente a estética do filme alemão "O Consultório do Doutor Caligari", de 1927. Neste filme, essa realidade distorcida é justamente uma representação de um mundo criado pelo delírio do protagonista numa tentativa de explicar e resolver seus próprios conflitos internos.


E a letra de "Otherside" possui várias referências a situações existenciais não-resolvidas que levam a um ciclo eterno de angústia e incompletude do Eu Lírico, por exemplo:  arrependimentos pelo passado ("I heard your voice through a photograph/I thought it up and brought up the past"), cobranças externas por seus "defeitos" ("she wants to know am I still a slut"), a necessidade inexorável de arcar com as consequências dos atos ("push the trigger and pull the thread"), a postergação da solução de seus problemas com falsas e vagas soluções ("I've got to take it on the otherside"), angústia por esse ciclo não terminar ("how long, how long will I slide?"), a percepção de que não parece existir uma solução ("I tear it down, I tear it down and then it's born again") e o final vago e inconclusivo de quem não sabe qual a solução para seus problemas existenciais, e sequer existe solução que não a morte ("slit my throat / it's all I ever...").

E finalmente o arranjo, num crescendo em intensidade, especialmente com os backing vocals e a sonoridade nervosa da guitarra de John Frusciante vem a justamente reforçar a ideia de uma angústia crescente, que explode na bridge ("Turn me on take me for a hard ride...") da música e no último refrão termina tão bruscamente como o último verso - "It's all I ever..." gramaticalmente é uma frase incompleta - como a sugerir, quem sabe, a morte do Eu Lírico, podendo ser essa morte física, definitiva ou - para desespero do Eu Lírico - apenas um breve encerramento do ciclo para que ele recomece, ad infinitum...

Posts Que Talvez Você Goste

10 comentários

  1. Para mim ele faz uma analogia da existência dele cm uma trip de ácido(ele perde a noção de tempo, vai a outra dimensão, ouve sons onde n deveria ter, perde a noção da realidade, n sente o corpo(por isso ele poderia c cortar)) e possivelmente há alguém próximo a ele(tlvz ele mesmo) q vê esses atos dele(existenciais ou mesmo d tomar o "doce")e o agride psicologicamente, mesmo q em certos pontos ele pareça n se importar cm opiniões alhei-as!!
    E me parece tmbm q ele quer trazer essa realidade(do acido) p a realidade externa("sem acido")...ele quer sentir essas sensações naturalmente(e logo, sem o julgo das demais pssoas tlvz). Kiedis é foda!

    ReplyDelete
  2. Oi Rafa, obrigada pelo comentário (é a autora que escreve)e valeu por compartilhar essa outra visão! O bacana da obra do Kiedis é justamente essa possibilidade de mais de uma interpretação; ele não dá nada "mastigado" pra quem possa querer ou tentar entender.

    ReplyDelete
  3. Anonymous22/3/16 16:54

    Na minha humilde interpretação, acho que a letra retrata uma ilusão sofrida pelo ``personagem``, causada por um acidente que sofreu , ou até mesmo uma overdose , causa da pelo uso de drogas. Por favor , não estou fazendo apologia ao uso das tais.

    ReplyDelete
  4. "How long, how long will I slide?
    Separate my side"

    Acredito que seja um questionamento, se perguntando até quando vai ter recaídas e se separando da parte dele que sabe que isso é errado! Com certeza essa música foi escrita em um momento de tristeza e luta contra as drogas!

    ReplyDelete
  5. Análise genial. Parabéns!

    ReplyDelete
  6. || Uma triste canção, segundo eu:
    "apologia ao suicídio" do eu lírico ou do eu físico!!
    (by sabra)

    ReplyDelete
  7. || Uma triste canção,
    segundo eu:
    "apologia ao suicídio"
    do eu lírico ou do eu
    físico inconclusivos!!
    (by sabra)

    ReplyDelete
  8. Anonymous31/7/22 03:09

    Na minha opinião eu acho q a letra quer dizer q ele é um cara dividido (entre o passado e o presente), psicologicamente abalado, atormentado pelos erros do passado e acha que isso não tem cura, a não ser a morte, q ao meu ver seria o "tomar o outro lado" q ele diz, uma forma de transcender tudo isso, como se fosse a solução mais fácil pros problemas dele e tudo q ele tem, por isso essa angústia toda.

    ReplyDelete

Não esqueça de deixar seu comentário! Ele é muito importante para nós!